Retenção Hídrica: quando se torna uma preocupação?

 

Tenho retenção hídrica, “estou inchado”,  “acumulo muito líquido no meu corpo”, diz o paciente. A bem da verdade, esta é uma queixa frequente em consultório. É importante saber caracterizar esta condição, a fim de que se destine o devido tratamento.

O termo “retenção hídrica” refere-se ao acúmulo temporário de líquidos no corpo. Este acúmulo ocorre no “terceiro espaço”, ou seja, o compartimento fora dos vasos de sangue. Termos como edema ou inchaço são designados para denominar tal condição.

 

O que fazer com a retenção hídrica?

A partir do momento em que se constata tal condição, o mais importante a ser feito é buscar ajuda médica. O que importa nestes casos é diferenciar se há alguma patologia orgânica grave ou alguma condição reversível.

No que se relaciona a gravidades, patologias renais, sobretudo as insuficiências, devem ser prontamente diagnosticadas. Nada do que uma boa consulta médica e exames de sangue destinados a avaliar a função renal não sejam capazes de solucionar.

Um grande problema, e que é vastamente ignorado, é o uso de alguns medicamentos. O maior vilão nestes casos é o antiinflamatório. Estes medicamentos podem causar uma série de lesões hepáticas ou renais, sobretudo quando utilizados de forma crônica e indiscriminada.

Doenças como diabetes, hipertensão arterial, obesidade devem ser correlacionadas como causadoras de retenção hídrica.

Situações até mais comuns podem desencadear uma retenção hídrica. O consumo excessivo de alimentos ricos em sódio e também em carboidratos simples, podem causar tal sensação.

Acúmulo de líquidos nas pernas, sobretudo ao final do dia e quando se fica muito tempo em pé, pode refletir alguma insuficiência na circulação de sangue. Varizes são causas frequentes disso.

 

 O que pode ser feito?

Como já dito, o diagnóstico é o passo mais importante. A partir do momento em  que a causa é descoberta, o devido tratamento é instituído.

Diabetes, hipertensão ou insuficiência renal, cada qual possui um tratamento específico. Em casos em que os sintomas estão relacionados a ingestão excessiva de sódio e carboidratos simples, o que deve ser feito é a restrição destes alimentos do consumo alimentar diário.

O sódio deve ser minimizado nos alimentos, ou seja, evitar-se adicionar sal em alimentos que já tem um sabor mais marcante e abolir o uso de temperos prontos ou mesmo molhos para salada, são medidas indicadas. A ausência total de sódio na alimentação é uma medida impossível e também deletéria, podendo inclusive piorar o edema.

O carboidrato simples gera a sensação de retenção hídrica pelo simples fato de se levar a um ganho de peso.  O tecido gorduroso é um ecido metabolicamente ativo e tem uma alta capacidade de gerar inflamação. A grosso modo, estta inflamação leva a retenção hídrica.

Este carboidrato também pode causar uma sensação de má digestão e acúmulo de gases, principalmente o do grupo dos FODMAPs (veja artigo que escrevi anteriormente). Estes carboidratos tem uma fermentação excessiva no intestino o que desencadeia os sintomas de gases, distensão abdominal e má digestão.

Aquela sensação que a mulher pode apresentar no período pré menstrual é meio que inevitável, no entanto, pode ser minimizada pela normalização do consumo de sal e melhorando-se a hidratação e o consumo de carboidratos.

Resumindo…

Em resumo, retenção hídrica pode ou não representar alguma condição clínica grave. De toda forma, um médico deve ser consultado para se estabelecer o diagnóstico e tratamento pertinente. Medidas empíricas, tipo uso de diuréticos ou chás são abominadas, pois podem causar problemas muito mais sérios, tais como insuficiência renal aguda e arritmias cardíacas.

Emagrecimento saudável e monitorado, factível acima de tudo auxilia sobremaneira nestes casos. A prudência e a coerência, mais uma vez, nunca serão excessivas em situações como essa.

 

 

Comentários
Dr. Juliano Antunes

Posted by Dr. Juliano Antunes